Curtas de Animação Indicados ao Oscar 2020

Dcera

(Daria Kashcheeva, 2019)

O vínculo entre pai e filha é ameaçado por questões que não são ditas e dores que demoram a cicatrizar. Para mim, o mais tocante dos indicados este ano. Há uma melancolia da partida. O trabalho de foquista é um destaque, com a fotografia tratando dos personagens animados como seu fossem live-action, abusando de closes e planos fechados sem medo algum de mostrar as tocantes expressões.


Mémorable

(Bruno Collet, 2019)

O filme conta a história de um velho pintor francês que, junto da esposa, precisa lutar contra a demência cada vez mais presente em sua rotina. Com muitas referências ao pintor Van Gogh e ao expressionismo, fauvismo e pós-impressionismo, começando pela textura usada na animação – principalmente os personagens – e as demais formas. A presença (ou ausência) da memória é muito importante para que a obra apresente a loucura, a arte, a sensibilidade atrás de cada pincelada. Tem uma trilha leve, mas carregada.


Hair Love

(Matthew A. Cherry, Everett Downing Jr. e Bruce W. Smith, 2019)

Curta de animação de Matthew A. Cherry, Everett Downing Jr. e Bruce W. Smith, conta a história sincera de um pai afro-americano aprendendo a arrumar o cabelo da filha pela primeira vez. Aquela animação tradicional bem cartunesca, mas que carrega um enorme valor em seu tema, tão recorrente no Brasil e no mundo. Estrutura simples, redonda com começo, meio, conflito e resolução. Tem um final arrebatador, otimista.


Kitbull

(Rosana Sullivan, 2019)

A amizade experimentada pela primeira vez entre um pitbull e um gatinho vadio feroz numa relação improvável. Mais um projeto da Pixar que incentiva as produções independentes de seus funcionários. O gato como protagonista tem seus olhos grandes para ficar mais fácil e iconizar/expressar suas ações e sentimentos. O fato de não precisar de diálogos escritos universaliza a animação. Só alguns elementos quando se preparam para ficar animados (como objetos do cenário) tomam um destaque que foge do lugar onde estavam, como cenário.


Sister

(Siqi Song, 2018)

Um homem se lembra de suas memórias de infância de crescer com uma irmãzinha irritante na China dos anos 90. Como teria sido sua vida se as coisas tivessem sido diferentes? A animação feita em stop-motion com bonecos revestidos de lã causa um movimento muito dinâmico, já que os pequenos fios de lã sempre estão em movimento. Tecnicamente o mais impressionante é o trabalho da fotografia, com diversas empregos da luz no filme. Há uma plot twist no filme com um cunho social interessante. E de cortar o coração.


Rodrigo Passolargo

Passolargo é um nordestino armorial. Escritor, produtor de conteúdo e fuleragem profissional. É o rei dos memes, não pode ver uma rede que já quer deitar, um brega funk que já quer dançar e é o maior fã de Harry Potter que você vai conhecer (embora ele não assuma). O cinéfilo local mais arengueiro da internet.